Analgésicos


pola02 - train station

Olhei a janela e todo o meu corpo estava em silêncio no meio de todo o ruído mecânico.
Senti que algo me caiu no rosto e deixou um rasto húmido pela face. Toquei para saber o que era, quando o sinto novamente! Uma lágrima. E outra. Não sentia pois ainda estava dormente. Todo o meu corpo estava ainda sob o efeito de sedativos e analgésicos, por pouco tempo. Ela já lá estava mesmo sem sentir e começou a doer ligeiramente, até que irrompeu sob a minha alma, a minha pele. Tornou-se física e chorei quase compulsivamente. Num silêncio. Num vazio.
E quando olhei para trás não mais te vi. Agora só tinha a última fotografia do irreal, um “Até já” e um beijo. E mais uma vez segui rumo à distância, à saudade, ao incerto. E doeu.

Autor: Erika

Quem escreve: De nome: Erika. Tenta escrever o que mais lhe apetece. Tenta ser simpática. Quando não reclama, sugere. Sorri muito. Atribui significados importantes à musica, ás cores, cheiros, sabores, texturas. Teimosa, orgulhosa, ambiciosa q.b., não cria espectativas, cria objectivos. Gosta de dormir, é preguiçosa mas detesta preguiçar. Perde-se na internet. Perde-se naquele momento perfeito. Perde-se na fotografia. Perde-se nas pessoas. Perde-se na paixão. É apenas mais alguém que escreve.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s