Crónicas de uma Tesão

Sabes o que quero mesmo?

Dar-te um abraço apertado e sentir a tua respiração no meu ouvido. Sentir o cheiro da tua pele e a pressão contra o teu peito. Saber que estás indeciso, não sabes se ficas e me abraças se me afastas e me beijas. Quero sentir os teus lábios húmidos nos meus bem quentes. O sangue circula fervorosamente por todo o meu corpo à conta do bater acelerado do meu coração. A tua mão na minha nuca que acaricia e depois aperta o cabelo. Já passaste do abraço e encontraste-me no desejo.

Sinto os teus lábios a percorrerem levemente o meu pescoço, a minha pele que reage a ti em cada milímetro, a minha mão que aperta no teu peito.

Quero-te ainda mais perto do que estamos agora.

Ficamos testa com testa e eu consigo sentir o calor da tua respiração acelerada.

A minha língua humedece os meus lábios, um reflexo inconsciente de quem se prepara para receber um beijo, um convite à descarada para os provares, que tu aceitas de imediato. E começa a dança da língua ao som da respiração, um beijo coreografado pela paixão. A paixão de amar, a paixão de querer, a paixão de ter. O meu corpo que grita por ti num gemido abafado quando pões a mão debaixo e percorres as minhas costas, num movimento enviesado como quem quer chegar a todo o lado, vagarosamente.

Eu [pausa-inspira]… Quero-te [pausa-expira]…

Puxo-te pelo cinto nas calças, já estás encostado a mim mas quero que saibas que também quero mais. E mais. Tudo. Todo. Tenho-te todo para mim, à mercê da minha luxúria.