Pensamento do dia (ou da madrugada)

(…)

Quando se deita tudo a perder.

Está tudo perdido (?!).

(…)

(Profundo, han?! Sim…veio lá de dentro.)
Experiência boa hoje. (Menina bonita é sexta, vamos vadiar…) Não me sai da cabeça a música. Mas por mode’quem?

Sem dúvida a banda sonora do dia de hoje. Rolling Stones – You can’t always get what you want.

Um livro de reclamações pessoal…

livro_reclama.jpgHoje pensei (uau),

se cada um de nós tivesse um livro de reclamação? No que toca a gestão de conflitos havia de ser engraçado. Escrever uma reclamação sobre o individuo em causa ia ser demasiado fácil mas também libertador. Imagina o que é chegar e dizer “Quero o livro de reclamações sff.”

Hoje apeteceu-me dizer isso em conversa. Ao ponto que chegou o desapontamento em relação a determinada persona. “Quero fazer uma reclamação se faz favor. Desiludiste-me, não és quem pensava nem aquilo que esperava e ao que parece não se pode fazer a troca.”  De modo a que lhe ficasse bem registado e não fossem apenas palavras jogadas fora.

Mas depois tinha de escrever uma reclamação a mim própria: “Hoje reclamo porque criei espectativas quando sei que não se deve fazer. Desiludi-me.” Nem tudo pode ser reclamações. Há que tirar o aprendizado subjacente.

(Era-me interessante saber as reclamações de terceiros sobre minha persona. Acho que ia rir bastante e provavelmente entender muita coisa)