“Somos uns parvos…”

– “Porquê?” (sei a resposta mas quero que tu o digas)

– “Porque gostamos um do outro e estamos assim…

Abraçámo-nos e chorámos.

Ás vezes é preciso ser-se parvo para se perceber o que realmente faz sentido.

– “Vamos lá fora. Respirar.”

E deitados na areia daquele precipicio á beira mar, ficámos (abraçados) e em silêncio a olhar o céu e a desejar secretamente que aquele momento durasse mais do que uma simples noite. E durou. Ficou marcado.

Praia…

14082007226.jpgPorque é que eu me esqueci do quanto sempre gostei de praia? E me convenci de verdade que odiava o Verão? Quando é que isso aconteceu? E mais importante, porquê? Passei a minha infância na praia, a brincar á beira mar, não fosse eu uma menina dos Algarves! Este Verão relembrei o quanto eu gosto da praia, do sol a queimar, do mar fresco, de toda a energia que fico só de estar naquele ambiente.

Que bom é estar na praia com os amigos, a falar de assuntos desinteressantes, sempre com grandes gargalhadas, momentos bons que me fazem sentir bem. Ainda bem que relembrei, mas isto não quer dizer que deixei de gostar do meu frio. 🙂 Gosto de frio, mas também gosto de praia. Não mais renego o meu Verão, ou não sou eu uma Menina do Algarve. A praia faz parte de mim. Muitos dos momentos mais especiais da minha vida, aconteceram na praia, de dia, de noite, fosse verão ou Inverno.

Perto do mar é onde estou bem.

Incubus – Aqueous Transmission