Rascunhos – II

Nós estivemos lá e eu não te abracei como queria. O medo interrompeu o beijo que se aproximava. Os nossos corações sentiam-se, as batidas intercaladas, apressadas pela adrenalina, descompassadas pelo medo. Medo de dar um passo em falso, sair do conforto, descobrir a paixão…desvendar a dor. O medo que antecipa o sofrimento e adia a felicidade. Que me impede de te amar sem pressas. O medo gasta o fôlego, delapida a vida. Rouba-te pedaços da tua existência que poderás nunca vir a recuperar.

Devia ter feito frente ao medo, mas não o fiz.

Devia ter encarado a paixão, mas não o fiz.

Devia ter tomado as rédeas do desejo, mas não o fiz.

Podia ter-te abraçado como queria, mas cedi ao medo.

Olhei-te nos olhos e tu sorriste ternamente. Acho até que me envolveste com ainda mais força nos teus braços. Beijaste-me na testa e disseste “um dia casamos aqui”.

Rascunhos I

Saudade da paixão que me agarra pela alma. Aquela sensação de estar à beira de um penhasco, o frio na barriga, as borboletas sabes? Quando os olhos se cruzam e tu simplesmente sabes. Aquele momento, mesmo antes dos lábios que se tocam pela primeira vez, em que a respiração praticamente sustém e, ao mesmo tempo, o coração, bate tão forte, parece que vai sair disparado do teu peito. Tudo à tua volta continua a existir mas estás parado no tempo. Olho para os teus lábios humedecidos e eu quero. E eu sei que tu me olhas alma a dentro e roupa para fora, e eu quero. Estamos os dois à beira do precipício da paixão e a decidir, numa fração de segundos, se tudo muda. Entramos em queda livre, juntos, em rota de colisão. O momento que antecede a entrega. Aquele mesmo antes dos lábios se tocarem, em que sinto a tua respiração e a minha. É esse momento. Esse mesmo, o prelúdio do desejo arrebatador.