Feliz Navidad!

O Natal, mais que tudo, faz-me recordar a infância.
E da minha infância tenho uma banda sonora muito especial.
Uma das coisas que mais ouvia era Las Ardillitas (a versão mexicana de Alvin and the Chipmunks). A minha mãe colocava sempre o disco (Vinyl) a tocar com as Ardillitas. Eu sabia todas as músicas decor!

Eram estas algumas das musicas que mais gostava:

– Mi ranchito
– Telefono Carpintero
e

– Vi a Santa Claus besando a mi mama.

Traz-me muito boas recordações e ainda hoje quando as canto, trazem-me alegria.
As peripécias do Panfilo são hilariantes!
No Natal o que mais gosto é recordar a minha criança, afinal, o Natal é para os mais pequenos. Mesmo que os mais pequenos estejam disfarçados de gente grande.

Feliz Natal.

«Tarde Inútil»

“Não quero que ninguém me venha incomodar esta tarde. Estou a pensar em ti. Todo o esforço é pouco, toda a atenção não basta. Penso em ti que chegas das mais diversas maneiras e não tenho modo de controlar por inteiro. Apareces ali e depois saltas para muito longe no tempo ou no espaço, baralhando-nos as vidas. Ouço-te dizer uma frase que não chegas a completar porque pelo meio irrompe uma recordação mais apressada. O melhor é deixar vir o que tem de vir porque tentar fixar uma imagem é condená-la a desaparecer, ensaiar uma recordação é afastá-la para longe, correr o risco de para sempre a perder.

Pensar em ti é um mágico jogo em que continuas a brincar comigo para além da minha vontade.” (…)

Pedro Paixão in “Amor Portátil” – Pág. 49

Perder-me n”O Jardim” de um «Sonho a Cores»

jbcoimbra_hugo.jpgAmanhã irei deixar-me levar N’O Jardim pela voz de Tiago Bettencourt, que vem à Fnac Algarve apresentar o seu novo álbum (O Jardim).
Já tive o prazer imenso (imenso é uma palavra tão tia) de ouvir algumas músicas deste fantástico álbum. A sua sonoridade pareceu-me familiar, muito a jeito do Tiago. As letras, fabulosas.
Quando ouço as suas músicas deixo-me perder neste belo Jardim de melodias, palavras e sentimentos.
Gosto especialmente da Canção Simples por ser simplesmente doce.
Gosto d’O Campo (Quero ver-te amanhecer…) porque me lembra dele.
E a minha preferida é “O Lugar“, porque «onde tudo morre, tudo pode renascer».
E amanhã vou estar bem de perto a ouvir as músicas e acima de tudo a senti-las e vou-me perder num jardim onde brinco com cada nota.

E quando sair d’O Jardim, entro num sonho a cores.
Dreams in Colour. David Fonseca vai a Loulé apresentar o seu novo álbum. Diz quem já assistiu que David Fonseca tem umas actuações um tanto ou quanto aborrecidas. Não sei, nunca fui.
O seu novo álbum considero-o bom. A sua musicalidade não varia muito, as músicas são todas a jeitos de muito parecidas. Há uma ou outra que gosto.
Vou por curiosidade e porque ganhei um bilhete grátis! Pode ser que me surpreenda!
Ando muito concerteira. É bom.
Até amanhã Tiago. E até depois David!

Tiago Bettencourt – Canção Simples Feat. Sara Tavares (hidden track)

Tiago Bettencourt – O Lugar

O Post Oficial.

hpim3019.jpg hpim3156.jpg hpim3049.jpg hpim3142.jpg

Diz que Hoje é uma espécie de aniversário. O vigésimo primeiro? Sim. Grande data? Não. Nunca fui de dar muita importância ao meu aniversário, de fazer grandes festarolas, é um dia como os outros com a diferença é que as pessoas ligam-nos mais e a dizer sempre o mesmo “Parabéns, tem um dia Feliz. Tudo de Bom!” e também porque recebemos umas prendas catitas.

Mas este dia foi especial não por mim mas pelas pessoas que fizeram questão em torná-lo especial, em torná-lo memorável, e enchê-lo de sorrisos e momentos felizes.

Obrigado. Conseguiram muito mais do que isso. Ela que veio do Porto de propósito para a surpresa. Ela que fez a poncha madeirense e o bolo. E ela que trouxe as prendinhas e os beijinhos. Das 00.00h às 00.00h a comemorar sem parar. 🙂

E agora sim digo: “Parabéns a mim!”.

P.S. : O post anterior…nem eu tenho comentários. Escrevi-o quando cheguei a casa (depois de alguma vodka no sistema). Hoje quando acordei é que me lembrei que tinha escrito qualquer coisa mas não me lembrava o quê. Ri “a pacotes” quando o li. É triste. LOL 🙂

Caminhos que se tocam…

Existem pessoas que conheci de maneira espontânea, quase como coincidência, simplesmente por acaso. E que senti uma ligação e uma empatia quase imediata.
A complementaridade existente entre nós deixou-me surpreendida.

Alguém que naquele momento passava uma situação semelhante à minha, alguém que na altura soube me dizer as palavras de maior conforto, não o que precisava de ouvir, mas o que precisava de saber. Amigo especial se tornou essa pessoa e nesse momento os nossos caminhos tocaram-se por um segundo.
Um segundo porque tão rápido nos cruzámos quanto nos afastámos. Não por querermos mas porque simplesmente assim foi.
E ás vezes penso mesmo que certas vezes estas pessoas especiais que nos tocam por breves momentos na nossa vida vêm com o propósito de nos dar um pouco luz em algum momento de escuridão, e de nos relembrar que ainda temos a capacidade de conhecer e nos darmos a conhecer.

E esta pessoa que por momentos cruzou no meu caminho continua a ter um cantinho especial, e a ser relembrado com carinho.
Porque me deste luz, deste-me verdadeira amizade. E porque apesar do teu caminho já ser distante do meu, te considero um amigo especial. Mesmo me tendo tocado por segundos, marcaste-me para sempre.
Obrigado por todos os sorrisos roubados e conseguidos.

Por agora, apetece-me.

80__words_by_chokore_to.jpgApetece-me contar uma história. Daquelas que começam com o “Era uma vez…”, com muitas cores e sabores, borboletas, flores em planetas longínquos, animais que falam de coisas que o homem devia compreender. De amores apaixonados. Príncipes encantados de reinos muito muito longe.
De meninos que voam e que vivem na terra do nunca.
De fadas e princesas! E também as bruxas más, os lobos que vestem pele de carneiro, os piratas com risos estridentes.

Gostava de contar a história que aqui acaba em final feliz, num reino encantado, num lugar de magia e harmonia com prados verdejantes e alegres. Árvores que balançam na melodia do vento, flores que tocam musicas de cores e cheiros.

E a história faria sorrir, faria quem a lê agarrar-se a cada palavra como se cada respirar fundo dependesse dela. Levava a imaginação pela mão a um mundo de coisas fantásticas, de sensações frescas, de calor, ternura, carinho, pura felicidade.

Apetece-me contar uma história. Mas ainda não consigo, perco-me em todos os elementos que me acarinham o rosto e me arrepiam a pele, tropeço nas palavras, este mundo que vejo absorve-me! Está em mim esta história de finais felizes, esta roda de cores, esta loucura de sabores!
Ainda é só minha. Mas um dia partilho (com alguém).
Por agora, apetece-me.

Rir é o melhor remédio…

Apesar de tudo acredito mesmo nisto. Rir é o melhor remédio, apesar do que atiro para aqui, sorrir é a melhor arma que tenho para combater (e provavelmente ganhar) qualquer guerra. Seja uma desilusão, um desentendimento, para convencer alguém a fazer o que quero… 🙂 Esboçar o nosso melhor sorriso leva-nos a muitos sitios, desde que seja realmente sincero. E o melhor de tudo é quando conseguimos roubar e até ganhar um sorriso do outro lado. E eu estou sempre a tentar que as pessoas á minha volta tenham sempre o seu sorriso mais sincero, não há melhor sensação para mim que saber que fiz alguém sorrir. (Consegue ser melhor que o melhor dos melhores chocolates!) E se for um sorrisinho bonito então… 🙂

Quando vi este vídeo lembrei-me logo de mim (!!!) só porque me chamam a palhacinha do grupo!

É que tristezas não pagam mesmo nenhumas dividas!

(Se pagassem Portugal era um dos países mais ricos e desenvolvidos da União Europeia…quissá do mundo!)

Descaradamente roubado do Blogovitor 

Qual é a melhor expressão da Paixão?

eu2.jpg

[…] Sim e fazer-me sentir a intensidade do teu prazer enquanto navego e brinco no teu corpo como se explorasse o infinito, como se cada milímetro da tua pele fosse o último segundo da minha vida, como se cada ponto da tua sexualidade fosse um livro que se folheia com intensidade.

E nesse momento tudo pára…O meu ritmo fica leve,calmo. Numa viagem ao extremo prazer em que os meus olhos se perdem nos teus, em que me vejo nos teus olhos e sorrio para mim mesmo, através de ti. […]

A entrega.